Como especialista no campo da diversidade, equidade e inclusão, Jennifer Brown viu em primeira mão os efeitos negativos do comportamento de exclusão nas organizações, seja intencional ou não intencional.

«Quando não nos sentimos confortáveis ou confiantes no sistema em que estamos, modificamos, minimizamos ou minimizamos. Evitamos confortavelmente a partilha de informação porque pensamos que pode limitar as nossas perspectivas de carreira ou as nossas relações com as pessoas».

O comportamento de encobrimento também tem um impacto no sentido de auto-estima, diz Brown, autor do bestseller How to Be an Inclusive Leader.

«Fazemo-lo como uma táctica de sobrevivência, mas tem o efeito cumulativo de minar a nossa auto-confiança. Sentimo-nos pequenos. Sentimos que estamos ausentes.

«O verdadeiro potencial da força de trabalho só pode ser realizado se tivermos um sentimento de pertença. Para sentir esse sentimento de pertença, precisamos de nos sentir vistos, ouvidos e valorizados por tudo o que somos».

Jennifer Brown quote Oct 22

«O verdadeiro potencial da força de trabalho só pode ser desenvolvido se tivermos um sentido de pertença».

Jennifer Brown, autora del bestseller How To Be An Inclusive Leader (Cómo ser un líder inclusivo).

O papel do líder

O encorajamento para trazer o nosso comportamento para o exterior, ou para começar a fazê-lo, tem de vir de outros à nossa volta, diz Brown, e não apenas daqueles que partilham os nossos mesmos padrões de diversidade.

«Se saltarmos, a rede tem de aparecer. A «rede» é a organização, o gestor e a liderança. Cada líder deve estar constantemente a ouvir, sondar, abordar e remover obstáculos.

«Como líder, tem de participar no processo de descoberta. Tem de participar no jogo, estar nesta sala e participar nesta conversa. Não se pode simplesmente aparecer e dizer: ‘Abençoo esta conversa'».

Um modelo em quatro fases para descrever o caminho

Brown utiliza um contínuo de quatro passos para ajudar os líderes a compreenderem onde estão na sua viagem e a darem o próximo passo em direcção ao desenvolvimento.

Primeira etapa: Inconsciência

«Nesta fase, as pessoas não compreendem que existe uma lacuna. Eles assumem que tudo está bem, na sua maioria bem».

O objectivo é encontrar pessoas onde elas estão e convidá-las a reflectir, diz Brown.

«Temos de apresentar o argumento de formas diferentes e evitar julgar porque é que alguém não está consciente, porque podem existir muitas razões. Desde que haja um certo compromisso, uma certa tensão na corda voltando do outro extremo, aceito-o. E depois podemos trabalhar com ele. Podemos encontrar algo que possa preencher essa lacuna para essa pessoa.

Segunda fase: Sensibilização

Nesta fase, as pessoas são curiosas, pesquisam e recolhem informações, diz Brown.

«Pensamos nas nossas próprias medidas de diversidade que estão escondidas e no que não é visível. O que é que isto pode ter a ver com a minha liderança? Como posso integrar isto na minha forma de liderar? Estas são as perguntas certas a fazer nesta fase.

«Mas quando nos expomos a identidades diferentes que não são as nossas, é um ponto em que podemos ficar presos ou talvez sentirmo-nos sobrecarregados, culpados, arrependidos ou mesmo zangados.

«Nesta fase, é comum reagirmos pensando: ‘Nunca estive exposto a isto. Nunca conheci alguém assim. Isto nunca me foi ensinado. Isto não estava na minha história», diz Brown.

«Mas quanto mais aprendemos – especialmente sobre os nossos direitos – mais nos damos conta de que simplesmente nunca o vimos dessa forma. E agora abrimos os nossos olhos.

Terceira fase: Activo

Brown usa a metáfora de aprender a andar de bicicleta para explicar a fase Activa.

«Quando se anda de bicicleta pela primeira vez, presta-se muita atenção porque é algo novo. Estou em movimento. Estou de pé. Mas agora estou a cair. Estou a aguentar. Estou a cair.

Esta fase tem realmente a ver com a experimentação, a construção de um músculo e o sofrimento da rigidez de todas essas repetições, explica Brown. Ou levantar pesos mais pesados e desenvolver as nossas competências.

«É desconfortável porque nos estamos a tornar mais abertos, mais intencionais e mais pró-activos. Estamos a começar a usar a nossa voz. E nem sempre vai correr bem porque é uma língua totalmente nova para muitos de nós. É uma nova forma de olharmos para nós próprios dentro do processo, de uma forma que provavelmente nunca contemplámos antes».

Etapa Quatro: Defender

Brown usa a metáfora de aprender a andar de bicicleta para explicar a fase Activa.

«Quando se anda de bicicleta pela primeira vez, presta-se muita atenção porque é algo novo. Estou em movimento. Estou de pé. Mas agora estou a cair. Estou a aguentar. Estou a cair.

Esta fase tem realmente a ver com a experimentação, a construção de um músculo e o sofrimento da rigidez de todas essas repetições, explica Brown. Ou levantar pesos mais pesados e desenvolver as nossas competências.

«É desconfortável porque nos estamos a tornar mais abertos, mais intencionais e mais pró-activos. Estamos a começar a usar a nossa voz. E nem sempre vai correr bem porque é uma língua totalmente nova para muitos de nós. É uma nova forma de olharmos para nós próprios dentro do processo, de uma forma que provavelmente nunca contemplámos antes».

Gostaria de saber mais sobre como desenvolver comportamentos de liderança inclusivos na sua organização? Junte-se a nós para um webinar gratuito. (Em inglês)
Como tornar-se um líder corajosamente inclusivo.

Terça-feira, 1 de Novembro de 2022

15:00 h Hora España

7:00 a.m. Hora do Pacífico / 10:00 a.m. Hora Padrão Oriental / 14:00 p.m. GMT

A necessidade de uma liderança inclusiva nunca foi tão importante. Neste webinar, a autora do best-seller e especialista em diversidade e inclusão Jennifer Brown aborda alguns dos desafios mais prementes do nosso tempo, tais como identidade, privilégios e equidade. Baseando-se em alguns dos pontos-chave do seu livro, How to be an Inclusive Leader, Brown irá partilhar:

O Processo de Líder Inclusivo: um roteiro de quatro etapas que os líderes podem utilizar para orientar a sua jornada pessoal para se tornarem um líder inclusivo.

O papel da identidade e do lucro na condução da mudança, incluindo um apelo aos líderes que ainda estão à margem.

Porquê humildade, empatia, vulnerabilidade e resiliência são componentes essenciais do conjunto de competências do líder inclusivo.

Não perca esta oportunidade de explorar estratégias e ganhar ferramentas para ajudar as pessoas a todos os níveis a conduzir uma mudança positiva nas suas organizações.

Registe-se hoje.

David Witt (Director de Programa The Ken Blanchard Companies®)

¿Necesita una consulta personalizada?.

Llámenos al (+34) 91 630 71 80

Le responderemos con la mayor brevedad posible.